Pratos falantes

Pratos falantes

HISTÓRIAS SABOROSAS DE ATORES DO COMER

 

Os dez brotos de nossos Diálogos do Alimento no Fru.To

Foi uma catarse tripla: idealizadores (Alex Atala e Felipe Ribenboim + Instituto ATÁ) e organização; plateias (houve a presencial e a virtual) e os 31 palestrantes deixaram o auditório da Unibes Cultural, em São Paulo, no último dia 27 de janeiro, motivados - ouviu-se muito falar em tesura, em motivação (ou motivo para ação) ao longo dos dois dias da primeira edição do Fru.To: Diálogos do Alimento. Os cases apresentados por gente bamba brasuca, israelita, holandesa, estadunidense, dinamarquesa e de muitos outros universos ("cada pessoa é um mundo") foram maneiros. Nesta reportagem, destacamos em textos, fotos e vídeos, que aos pouquinhos estarão em nosso canal no YouTube, um apanhado de #MotivosParaDialogarDez Brotos daqueles Diálogos do Alimento. Bom para quem perdeu as transmissões do Fru.To ou a cobertura que fizemos pelo Instagram, com uma forcinha do Stories. Fotos e artes: Érica Araium. 

Cozinheiro d'Alma, Henrique, o infante

Foi numa dessas andanças por Lisboa, já na cadência de versos heterônimos, que abri meia dúzia de livros, na Livraria Bertrand do Chiado, antes de encontrar-me com o chef Henrique Sá Pessoa. Havia marcado a entrevista de casa, Brasil, solo pátrio, meses antes. Carecia, contudo, de um porvir de tormentos doces, equilibrados por um bom café bem tirado. De tomar dose de coragem antes de bater meia sola à esquina, onde fica o restaurante galardoado com uma estrela Michelin do gajo, o Alma.

A balada sustentável do LOCO

Alexandre Silva tem em si todos os sonhos do mundo. É cozinheiro ou quase poeta, como o patrício Fernando Pessoa. Desde dezembro de 2015, aposta em ingredientes locais e na estreita relação com o produtor em seu LOCO, que funciona na Rua dos Navegantes, na zona da Estrela, em Lisboa. LOCO porque remete a lugar, ao que é local, sazonal, ao movimento locavore. A conceitos como o do Slow Food. À cozinha criativa embalada pelo que a natureza entrega à sazão. "Porque só assim faz sentido ser cozinheiro", exclama o chef em entrevista a Diálogos Comestíveis sobre sustentabilidade e "comida boa".
 

A Gastrotinga de Timóteo Domingos

Timóteo Domingos é um cabra arretado. Soube do Gastrotinga, projeto que encampou há pouco mais de dois anos, ao ver esse cozinheiro alagoano, radicado em Canindé do São Francisco (Sergipe), carregando a jornalista Neide Duarte no lombo. O flagra da exaustão amainada pela amizade foi feito durante as gravações do Globo Repórter Especial Caatinga (o programa deve ir ao ar em breve), em maio; e publicado no perfil de Domingos no Facebook. Já "seguia" o caboclo há um certo tempo. Mas, bastou esse fio de meada para que falássemos da rudeza da fome, das palmas do sertão que saciam o gado (mas dariam conta de alimentar um país), da produção descontrolada de "comida", do consumo inconsequente e da lição de sustentabilidade desse cozinheiro. Muitos #MotivosParaDialogarwink

O nosso Porco Moura, a nossa salumeria

O porco da raça Moura, louco por pinhão, está para a charcutaria/ salumeria brasileira tal o porco europeu, ávido por bolotas, está para o Jamón Ibérico Pata Negra? Grosso modo, podemos dizer que sim. Foi durante o congresso internacional Mesa Tendências 2016, na ETEC Santa Ifigênia, que conheci Lai Pereira, gerente comercial da salumeria Monte Bello. Cujos insumos servem de ingredientes a diversas preparações do chef Nicholas Callejas, do Maialini (bairro Cambuí/ Campinas-SP). Mundo pequeno, né? Para quem sabe viver, sim.

Light de corpo e alma


Já ouviu falar da Soulight? A empresa especializada em fornecer refeições simples e saudáveis prontas (take away) foi fundada em 2013 e tem sede em Valinhos (SP). E inaugurou, em abril, a primeira unidade no bairro do Cambuí, em Campinas (SP). A ideia é virar franquia. À frente da marca está a empresária Camila Giraldello, endossante sob medida. "Sempre gostei de comer comida de verdade. Gostosa, saudável, minimamente processada, sem conservantes, balanceada, sem desperdício e temperada de memória afetiva", resume. heart Conhecemos os dois endereços. E conversamos com Camila. Os #MotivosParaDialogar são muitos e, por isso, partilhamos o case aqui. A começar pela exata noção de que praticar o Slow Food no dia-a-dia é possível e, de papo de bicho grilo, tem nada. wink 

 

 

 

 
 

MAIS CONTEÚDO, POR FAVOR!