Na ponta da faca

Na ponta da faca

Das pensatas sobre a gastronomia em movimento

 

Bendito seja o Fru.To, Diálogos do Alimento

Alex Atala anunciou seu bendito Fru.To em agosto de 2017. Em 2018, sob o mote Diálogos do Alimento, tornamo-nos a nos ver sob o beiral do que há de certeza sobre o comer no futuro. Estamos protegidos, por ora, pela ideia de que o consumo consciente tem deixado de ser discurso para conjugar-se em ações. Os nossos #MotivosParaDialogar se multiplicaram por razões e afãs diversos nos últimos meses, êba! E, entre os dias 26 (sexta-feira) e 27 de janeiro (sábado), serão ao menos 30 - número de palestrantes que ocupará o auditório do Unibes Cultural, em São Paulo (SP), para discutir, em três tempos (três eixos), "as melhores estratégias e alternativas para a produção de alimento bom, limpo e justo nos próximos anos". wink

Alex Atala, Diálogos Comestíveis

Ceasa Gourmet: da banca para a panela, no dia 13 de maio, em Campinas (SP)

Demorou! laugh Até que a atual gestão da Centrais de Abastecimento de Campinas (Ceasa Campinas) ativasse um evento gastronômico, com envolvimento de restaurantes, cozinheiros, estudantes de gastronomia e, espera-se, uso de insumos sazonais e locais. O dia 13 de maio (das 8 às 13h) marca o início do Ceasa Gourmet, projeto que, se bem-recebido, poderá ser mensal e, novamente, acolhido neste que é o 4º entreposto do Brasil e o 2º do Estado de São Paulo. E onde, funciona, também, o maior Mercado Permanente de Flores e Plantas Ornamentais da América Latina, local do evento gastronômico

A iniciativa é da Ceasa em parceria com o Campinas e Região Convention & Visitors Bureau (CRCVB) e conta com apoio do curso de Gastronomia da Universidade São Francisco (USF)

O jovem Alex Iwamura e a cozinha do Iki Japanese

Hi (olá)! Irashaimassê (seja bem-vindo). A precisão dos gestos entrega o que é certo que se saiba: Alex Iwamura é bom um  sushiman. E, lá pelas tantas, se estiver o comensal sentado em frente ao balcão do Iki Japanese Cuisine (Campinas/SP), descobrirá, rápido, que ele teve como tutor, por longos nove anos, "Mestre Murakami San" - Tsuyoshi Murakami. Sim, o Mura do Kinoshita, biografado em "Kinoshita e o Jazz de Murakami" (252 páginas, Editora BEI, 2017). "Saí de lá, de São Paulo, e vim para Campinas. Estou ainda me adaptando, mas gostando da cidade", desconversa. Chegamos mais perto.

Santa Virginia, que café!

A esta altura, ao mesmo tempo em que atendem à clientela na microtorrefadora/ brew bar Virginia Coffee Roasters, Cristina Cinesi e Francisco Silveira estão a adular uma nova safra de café na Fazenda Santa Virgínia, em Piraju (SP). Atentos a todo o processo – do plantio ao serviço na xícara -  revelam que as primeiras mudas de Cataí Amarelo plantadas à sombra, por exemplo, devem surtir em grãos daqui a três anos. Está na cara que amam o que fazem. E no sabor do café coado servido na loja conceito da marca, que funciona no Distrito de Barão Geraldo, no piso superior da Padaria Alemã, em Campinas (SP).

No coração e nas veias da Cervejaria Landel

Conversamos com os sócios Bruno Cardoso e Marcelo Crosta (Samuel Faria estava vendendo seu lúpulo, por assim dizer e não o vimos desta vez) sobre o universo cervejeiro lá na quebrada deles: a Cervejaria Landel, no Distrito de Barão Geraldo, em Campinas (SP). Isso foi antes do Pint of Science, no Bar Lado B, que é vizinho (logo tem post) desde o ano passado. Fundada em 2013, a cervejaria dá conta de produzir, hoje, no máximo, 20 mil litros por mês – falamos de capacidade instalada. Produzidas “mesmo”: de 8 a 10 mil litros por mês, atualmente (produção própria). “Cada vez que coloco um estilo dentro da fábrica, perco metade da capacidade operacional de um tanque. Como trabalhamos com quatro ou cinco estilos em simultâneo, precisamos ser bastante processuais”, situa Marcelo.

 

 

 

 
 

MAIS CONTEÚDO, POR FAVOR!